Diário 19: História Vocacional de Ir. Lourdes Buttini

ago 19, 2020 Ir. Lourdes Buttini

Diário 19: História Vocacional de Ir. Lourdes Buttini

ERAS TU, PROVIDÊNCIA DIVINA ?!

…presente no luar cristalino, na noite de 20 de agosto de 1940, quando os pais Elisa e Alfredo João me colocaram dentro da vida. Na pia batismal, já no mês de setembro do mesmo ano, ali Estavas quando na luz da fé dos pais e padrinhos olhaste em meus olhos e me chamaste Lourdes, enquanto tatuavas meu nome na palma da tua mão. Num ambiente de fé e oração, vivi os primeiros anos no sacrário da natureza exuberante e, na inocência rezava: “Ave Êie, cheia de graça” por não conseguir pronunciar o nome de Maria. Aos 7 anos, recebia a unção do Espírito Santo, pelo sacramento do Crisma e lá estavas derramando amor no coração, enquanto me preparavas para uma vida de fé e testemunho.

Era também tua presença, espargindo magia nas noites de Natal, quando o céu se unia à terra trazendo ternura e encantamento. Ao ir à capela do vilarejo me Ensinaste a rezar no exemplo do pai, que se ajoelhava reverente, com os olhos fixos no altar, permanecia em silencioso, em oração…então me ajoelhava também e rezava. Em noites de luar eras presente , nos passos trôpegos do pai cansado, rezando os 12 Pai nossos da Ordem Terceira franciscana, na calçada, em frente da casa.. Quem era, senão Tu? Na preocupação piedosa da mãe em ensinar o catecismo que me preparava para a 1ª Comunhão. Permanecias ao meu lado nas tardes nostálgicas de Domingo quando a mãe me envolvia no sagrado, cantando prolongadas Loas. Com certeza estavas presente na decisão do pai em adquirir livros de santos que fortaleciam sonhos de algo maior, com mais sentido pra vida.

Estavas, também na fascinação das histórias narradas com emoção pela mãe sobre vestições no convento de Garibaldi. Enchia-me de misterioso encantamento pela VRC e repetia no segredo do coração: ”Quero ser esposa de Jesus”! Estavas ao meu lado, posso assegurar, quando aos 8 anos, do sobrado da casa encarreguei o vento para Te entregar um sigiloso bilhete que falava do desejo de ser tua “esposa”.: inteiramente tua. Quanta emoção e certeza! A ideia me fascinava…Na graça do chamado à VRC que evocara desde cedo no silêncio do coração Tu me amavas sem te compreender. Queria Te seguir! Com certeza eras Tu que querias em mim.. No juvenato quantas saudades na adaptação e por que não desistir? Por quê? Donde veio tanta força e convicção? Sem dúvida, eras Tu- Providência divina, me tomando pela mão- sem que olhasse para trás. Na vestição quanto enlevo ao pronunciar “sou esposa Daquele a quem o sol e a lua servem…”! E quando na Vida Religiosa, adentro, imersa na realidade do tempo, ouvi Teus clamores na voz dos oprimidos e” nunca mais pude olhar o mundo sem sentir aquilo que JESUS sentia…”Eis-me aqui, Providência Divina”.

Ir. Lourdes Buttini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *