Category: Lusleidy Mendoza Espinoza

Diário 21: Lusleidy Mendoza Espinoza

”A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. (João 6, 68).

Meu nome é Lusleidy Mendoza Espinoza, tenho 20 anos. Sou de Riberalta/Bolívia e nasci no dia 26 de outubro de 1999. Meus pais se chamam Nelson Mendoza Maita e Ana Espinoza Torrez. Tenho dois irmãos e duas irmãs, sou a casula dos quatro. Antes de morar com as Irmãs, ajudava meus pais nos afazeres da casa e colaborava com minha mãe na venda da chicha.

Um dia, minha mãe me perguntou se eu queria acompanhar a coordenadora de nossa Igreja em um curso de liturgia. Como os outros jovens não queriam ir, me dispôs para ir junto, para aprender a ser comentarista nas celebrações. Minha mãe sempre partilhava que os cursos eram bons e ela dizia que se aprende muito de Deus. Então, comecei a ir junto com a coordenadora da comunidade nestes cursos. Gostava muito de ser comentarista, participei de vários encontros de liturgia e meu desejo era aprender a fazer celebrações da Palavra. Isso me animava muito.

Um dia minha irmã mais velha, partilhou que ela tinha ido ao Santuário da Virgem de Guadalupe. Isso despertou em mim a curiosidade de conhecer este lugar. Minha mãe e eu começamos a participar aos domingos da missa no Santuário.

No dia 11 de janeiro de 2020, minha mãe me perguntou se eu desejaria ir à missa na capela de Martin de Porres. Ela me disse: “ao sairmos de lá passamos no Santuário”.  Aquele dia foi incrível, tinha muita vontade de ir à missa. Quando chegamos no Santuário tinha pouca gente. Então, ascendemos velas, nos sentamos e começamos a rezar, enquanto esperávamos o Padre. A encarregada do Santuário nos pediu paciência, pois, o Padre estava a caminho.

Enquanto esperávamos, vejo uma catequista cantando. Então falei para minha mãe: “Eu admiro ela! Está cantando na missa”. Então, ela se apresentou à comunidade dizendo que era a Ir. Vanesa, das Irmã da Divina Providência. Ela falou da Providencia de Deus, contou que era natural de Riberalta, e que estava de férias. Chamou-me ainda mais atenção, quando ela disse: “Sou uma entre vocês, estou muito feliz por estar aqui junto com todo o Povo de Deus, isso me lembra das minhas raízes”.

Durante a missa eu notava que ela me olhava. Eu também olhava para ela e entre nós duas havia uma empatia. No momento do abraço da paz, ela se aproximou de mim e dos meus pais. Ao me cumprimentar, ela olhou para mim sorrindo, e me perguntou: “Você é solteira”? Eu respondi que sim. “Quantos anos você tem”? Logo respondi: “20 anos”.  E assim, ela continuou desejando a paz para as outras pessoas.

Depois perguntei para minha mãe: “mãe, o que a Irmã queria dizer”? Minha mãe falou que ela perguntou se eu queria ser Irmã. Eu fiquei com essa pergunta na minha cabeça e olhava para ela e ela continuava me olhando também. Então, eu perguntei para minha mãe: “mãe o que significa ser Irmã”? Ela me disse: “Não sei, mas, surpreende-te! Então, eu disse que queria ser Irmã! Estava com muita vontade de aprender a fazer celebrações, tinha curiosidades em saber como era ser Irmã e queria saber como se chega a ser uma Irmã Religiosa! Tinha vontade de preguntar tudo isso para a Irmã Vanessa, mas, tive medo e vergonha para perguntar.

Terminando a missa, perguntei para minha mãe se ela poderia fazer algumas perguntas para a Ir. Vanessa. Ela me disse: “Eu sou a interessada”? Ir. Vanesa tirava fotos com outras pessoas e eu a convidei para ir à minha comunidade e fazer uma Celebração. Estava inquieta com a pergunta que a ela tinha feito. Ela respondeu às minhas perguntas de maneira bem simples, mas, eu não entendi muito bem. Só que dentro de mim, meu coração palpitava forte ao dizer: “Sim, eu quero ser Irmã”.

Assim, trocamos nosso número de telefone e Ir. Vanesa me disse: “Você, é uma linda jovem e vejo em teus olhos uma busca de querer seguir a Deus e Ele quer algo contigo. Pensa bem, com calma e escolhe o caminho da felicidade. Vamos fazer uma coisa, te dou meu número de celular, se você realmente quer escolher a Vida Religiosa Consagrada em sua vida e responder Sim a Deus, me liga e diz que quer”. Assim, comecei uma grande aventura de acompanhamento vocacional com as Irmãs.

Agradeço a Deus por tê-la conhecido! Agora estou na Congregação das Irmãs da Divina Providência, na etapa do Aspirantado. Cada dia me abandono nas Mãos de Deus e digo Sim ao chamado Dele. Sei que não é fácil, mas, me recordo da citação bíblica que  Ir. Vanesa me falou naquele dia, no Santuário, onde nos conhecemos: “para Deus nada é impossível”. (Lucas 1, 37)

AQUI ESTOU, deixando-me modelar pelo Jesus Cristo!